17 de dezembro de 2017
PUBLICIDADE
banner_site_1190_x_150_pixel_endereco
banner_site_1190_x_150_pixel_endereco
CHIQUINHO SORVETES
CHIQUINHO SORVETES
Chiquinho 03
Chiquinho 03

Biofortificação turbina alimentos para ‘matar’ a fome do mundo

PUBLICADO DIA: 10/08/2016
POR: Portal Janiópolis
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterPin on PinterestShare on LinkedInEmail this to someone

Mais de 9 bilhões. É este o numero de habitantes que a Organização das Nações Unidas (ONU) prevê para o planeta em 2050. A matemática é básica, mas nem um pouco simples: são 2 bilhões a mais de pessoas do que população mundial atual, ao passo que as áreas disponíveis para agricultura já estão quase esgotadas.

Para dar conta de tanta gente, a produção de alimentos terá que subir em 60% de acordo com a FAO, braço da ONU para a alimentação. Além do desafio da produtividade, num mundo em que, segundo especialistas, a oferta será bem mais controlada, o mesmo prato de comida – exatamente com os mesmos itens – terá que ser muito mais nutritivo.

O exercício é pensar décadas à frente, mas os exemplos de hoje já são preocupantes. “Um terço da população mundial sofre com a deficiência de nutrientes, principalmente o ferro. É um problema seríssimo”, afirma a pesquisadora Vânia Moda Cirino, do Instituto Agronômico do Paraná (Iapar). “As principais variedades de feijão oferecem, para cada 100g, um teor de 6mg de ferro. A necessidade do organismo é de pelo menos 12mg por dia. Teríamos que comer o dobro”, acrescenta. O que, no futuro, pode não ser possível.

Vânia é líder do projeto de biofortificação do Iapar. A técnica consiste em cruzar diferentes variedades da mesma espécie de planta para obter um tipo novo, com mais nutrientes. Recentemente, o instituto lançou um feijão com 9mg de ferro, ou seja, um teor 30% maior que o convencional. “É um alimento mais saudável numa quantidade menor. Pode ser a chave para o futuro”, salienta.

Desafios

A biofortificação ainda é recente. De acordo com o pesquisador José Luiz Viana de Carvalho, da Embrapa, ela começou a ser estudada há cerca 20 anos. “Eu mesmo tenho mais perguntas do que respostas”, brinca. José Luiz é um entre aproximadamente 500 cientistas do mundo todo que trabalham com a técnica atualmente.

Na Embrapa, assim como no Iapar, os alimentos escolhidos são os de maior aceitação: milho e trigo, por exemplo. No entanto, além de “bons de prato”, os biofortificados têm que ser bons de lavoura. “Porque se não tiver produtividade, o produtor nem olha”, diz o pesquisador. E ele completa: “a biofortificação é mais uma ferramenta contra a subnutrição, mas a vantagem é que conseguimos atingir o mundo todo. A fome não espera”.

PUBLICIDADE
© COPYRIGHT 2015 - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS - Portal Janiópolis